INGREDIENTE

Gel de Aloé Vera Orgânico de Comércio Justo

Aloe barbadensis

Calmante e suavizante
13
Produtos com este ingrediente

A aloé acalma comichão, reduz vermelhidão e ainda é excelente a acalmar queimaduras ou vermelhidões causadas pelo frio. Suaviza a pele e ajuda a protegê-la.

Descrição

Descrição

 Este gel refrescante é extraído das folhas internas da planta Aloe barbadendis e depois seco, antes da adição de água para obter sua consistência original. O produto resultante é um ingrediente muito eficaz para refrescar e acalmar a pele, especialmente em casos de queimaduras solares. O gel de aloé vera é excelente para todos os tipos de pele, suavizando e re-hidratando a pele seca. Nós obtemos o gel de aloé vera de folhas orgânicas e de comércio justo, cultivadas sem pesticidas, maximizando assim os nutrientes, para garantir que o ingrediente tenha efeitos fantásticos na tua pele.

Gel de Aloé Vera Orgânico de Comércio Justo existe nestes produtos
13
Produtos com este ingrediente
Gel de Aloé Vera Orgânico de Comércio Justo existe nestes produtos
Figs and Leaves é um sabonete suave que está cheio de figos e folhas para te reconfortar
Sabonete
Adão e Eva aprovam
5,25 €
100g
Grease Lightning é um gel antibacteriano para acabar com as borbulhas
Tratamento Para Borbulhas
Acaba com as erupções já!
9,75 €
45g
Tónico
A brisa do mar numa garrafa
6,75 €
100g
Hidratante Facial
Está restaurado o equilíbrio
22,50 €
45g

DESTACADO

Folhas frescas de aloé de Laikipia, Quénia

Compramos as folhas de aloé vera frescas, que usamos no nosso reformulado Charity Pot, a seis Grupos de Aloé de Mulheres Maasai, integrantes do Centro de Permacultura do Quénia

O povo Maasai do Quénia vive do pastoreio. A criação de gado é a sua principal fonte de rendimentos e é tradicionalmente feita por homens. Durante os tempos de seca, os homens deslocam-se frequentemente para encontrar pastagens adequadas para o seu gado, enquanto mulheres e filhos permanecem em casa. Devido às duras condições que enfrentam, as mulheres Maasai juntam-se para se apoiarem mutuamente, criando relações profundas e de carinho. Passam os seus dias a criar fantásticos trabalhos com contas e a queimar lenha para fazer carvão, que vendem depois para comprar comida.

A região de Laikipia é muito árida devido à desflorestação e consequente erosão extrema do solo. Existe hoje a perceção, entre as mulheres, de que cortar as árvores está a contribuir para a degradação do solo e, consequentemente, origina más colheitas. Quando a ameaça de fome paira no ar, devido à seca extrema e à consequente falta de vegetais disponíveis, a sua dieta consiste em leite azedo e sangue do gado. A esperança média de vida destas mulheres é de 45 anos.

Esta situação inspirou-as a criar uma fonte alternativa de rendimentos e alimentação. Foi assim que nasceu o Nabulu Women's Aloe Group. Este é um dos seis grupos de Aloé que o SLush Fund apoia em Laikipia.

O Nabulu (significa "crescer") Women's Group é composto por vinte mulheres Maasai, com idades compreendidas entre os 25 e os 40 anos. As mulheres reúnem-se duas vezes por semana para aprender a ler, escrever e falar Kiswahili. Têm assim a oportunidade de crescer como grupo e como indivíduos, ganhando força e coragem para criar uma vida partilhada e sustentável. Durante estes períodos em que se juntam, experimentaram também criar cosméticos de aloé, vendendo-os no mercado local.

Aloe secundiflora

Lush Buying presents: Aloe Laikipia

A Lush compra agora também as folhas frescas de Aloé para o nosso renovado Charity Pot. As folhas chegam inteiras e frescas à nossa fábrica, onde são cortadas para extrair o gel. Foram investidos fundos do SLush em cercas para proteger o aloé de ser pisado por elefantes e camelos selvagens, bem como em mudas de aloé, um sistema de rega e equipamento de cultivo. Através da nossa parceria com o permaculturista Maasai, Josep Lentunyoi, e o Centro de Permacultura de Laikipia, estamos a trabalhar com as mulheres Maasai para introduzir plantas nutritivas nos terrenos secos, tanto para melhorar a sustentabilidade das terras, como para fonte de alimento.  

Foram investidos fundos do SLush em cercas para proteger o aloé de ser pisado por elefantes e camelos selvagens, bem como em mudas de aloé, um sistema de rega e equipamento de cultivo .