DESTACADO

Sem lugar para plásticos: Como é feita a maquilhagem sem embalagem

Primeiro, tiras os sapatos. Depois penduras o casaco, tiras a blusa, abres fechos e botões da tua roupa, até só faltarem as meias. A ordem ou roupa pode diferir, mas o resultado final é praticamente o mesmo: muito rapidamente, tens as roupas todas despidas. Fosse assim tão fácil tirar a embalagem de plástico aos produtos...

 

Ao que parece, o primeiro passo para inventar uma fórmula de base sólida é, na verdade, 14 tentativas de invenção da sua fórmula. “Existem aqui 15 versões de fórmulas diferentes”, diz a inventora de produtos Lush, Jemma, enquanto percorre pelo seu portátil, “Mas todas tiveram origens diferentes, pois viajávamos de uma ideia para outra.” Por isso, para sermos mais precisos, serão 15 ou mais.

Em 2016, Jemma começou a trabalhar num projeto que iria agitar a coleção de maquilhagem Lush, e o seu primeiro lançamento são as 40 bases sólidas e livres de plástico, Slap Sticks, que poderás experimentar pela primeira vez nos Lush Labs. A linha cronológica de como esta gama de tons ganhou vida está, de forma involuntária, exposta pelas prateleiras, secretárias e catálogos de cores do seu laboratório. E, ela convidou-nos (e a ti, pelo poder da internet) para uma chávena de chá.

A história dos Slap Sticks começa na prateleira de cores para lábios. Jemma explica porquê: “Primeiro, precisava de descobrir uma forma de criar algo que é usualmente líquido, ou embalado, em algo que pudesse existir sem embalagem.” Naturalmente, olhou para a gama de batons Lush como inspiração. Os batons que a Lush tinha eram sólidos e não pareciam secar, por isso Jemma decidiu fazer uma experiência: deixou alguns tons a descoberto para ver o quão rápido secariam. Como não secaram, Jemma percebeu que havia tropeçado num potencial componente inicial para os fundamentos da sua base: “Tecnicamente, foi uma fórmula de batom que se desenvolveu e transformou numa fórmula de hidratante.”

Dois ingredientes que passaram a prova (e outro que não passou)

Tal como um chef e a sua colher de prova, Jemma inventa novos produtos de acordo com a sua sensibilidade. “Eu sou muito de tato. Na minha cabeça, faço uma imagem do propósito de cada ingrediente, pela sensação, toque e outras particularidades do género.”

Uma matéria-prima que não irás encontrar na fórmula final é uma manteiga de noz. “Eu pensei em usar variadas manteigas”, diz Jemma, “Mas algumas pessoas são sensíveis às mesmas, particularmente à manteiga de cacau, enquanto outras sentem que as manteigas ficam retidas na pele. Estas podem ser muito espessas. Pensei que, assim que os pigmentos estivessem espalhados, iriam mover-se pela pele”.

A cera de casca de laranja é um dos ingredientes que passou com distinção. “Quando penso em cera de casca de laranja, penso no que ela faz pela laranja. Cria uma camada que protege a pele. É isso que faz na laranja, e foi para isso que foi desenhada na natureza.” Diz Jemma, “Adoro pensar nas coisas desta forma.”

O óleo de coco extra virgem também passou. “Bem, o óleo de coco foi um dos escolhidos mais pela sua característica de derreter à temperatura ambiente. Por isso, é uma questão mais técnica,” ri Jemma, antes de acrescentar que o óleo de coco é reverenciado pelas suas propriedades hidratantes e de luminosidade.

Onde a ciência encontra a arte. E a natureza, o seu retrato.

Acontece que Jemma também sabe bastante sobre a teoria das cores. Fora do seu trabalho na Lush, aprende a fazer pinturas e retratos a óleo. Por feliz acaso, esta experiência deu-lhe as capacidades necessárias para desenvolver a sua nova linha de maquilhagem. “Deparei-me com a paleta de cores Zorn”, diz Jemma, “e percebi que se correlaciona com o trabalho que fazia no desenvolvimento dos tons de base. Ajudou-me a desenvolver as cores finais que temos aqui.”

A paleta de cores Zorn, batizada com o nome do inovador artista sueco Anders Leonard Zorn, é uma paleta de cores que limita os artistas a tons terra: os típicos amarelos ocres, vermelho cádmio, preto marfim e branco titânio. Apesar do próprio Zorn utilizar outras cores, a paleta ganhou uma popularidade generalizada entre pintores, particularmente como ferramenta para ajudar a retratar tons de pele. Quando Jemma percebeu que as quatro cores mais comuns associadas com a paleta Zorn poderiam ser mapeadas numa gama de óxidos de ferro, comummente utilizados para dar cor a cosméticos, abordou a criação de um tom de base como abordaria a mistura de tintas a óleo. Pegando no feedback que recebeu dos que testaram a maquilhagem no Lush Summit, Jemma trabalhou para criar uma gama compreensiva de tons para conseguir chegar a um largo espectro de tons de pele. “Todas as novas cores são um equilíbrio de algumas (ou todas) as quatro cores,” diz-nos.

Para criar diferentes subtons quentes, frios e neutros, experimentou mexer com o equilíbrio de amarelos, pigmentos vermelhos e, por vezes, um pouco de preto. “É, literalmente, uma questão de ajuste”, explica Jemma. “Damos o nosso melhor palpite e quanto mais se faz, mais perto se fica de acertar. Tenho hoje uma maior tendência a acertar mais coisas à primeira do que antigamente.” Ao usar a experiência e as suas tentativas, Jemma criou meticulosamente à mão cada um dos 40 tons de base, moldando cada mistura de pigmentos para assegurar uma correspondência o mais perfeita possível com o tom pretendido.

O resultado são bases sólidas, fruto de um trabalho feito com amor – e, Jemma frisa, também um produto de criatividade de grupo. “Trabalho para Lush há 13 anos e, neste período, já desenvolvi muitos produtos,” explica-nos. “O processo de inventar produtos novos envolve refletir no que criámos antes em conjunto com o grupo de trabalho, que inclui outros inventores e os fundadores da empresa, para te colocar no pensamento certo e passar a novas ideias Nem sempre sabemos a origem das ideias que temos, pois debatemos tudo em conjunto. "

Jemma diz: "Processo as coisas internamente. Por isso quando faço algo, fico muito tempo a pensar sobre isso. As pinturas que faço em casa, são só minhas. Mas trabalho para uma empresa onde faço coisas para outras pessoas, por isso todas as minhas ideias são para garantir o melhor que a empresa quer.”

Com mais maquilhagem sem embalagem alinhada pelo seu laboratório, as bases Slap Stick serão só o início de muitos outros produtos que vão perder a embalagem de plástico. Experimenta em primeira mão nos #LushLabs.

 

 

Comentários (0)
0 Comentários